Dr Eduardo Adnet


Médico Psiquiatra e Nutrólogo

Pergunte ao Psiquiatra | Perícias e INSS

Perguntas Relacionadas a Auxílio Doença, INSS e Capacidade Laborativa

(As Perguntas foram publicadas do modo como foram redigidas para que o formato original fosse preservado)

 

 

 

Quando há Incompatibilidade entre a Doença e a Função do Trabalho?


Fiquei afastado do serviço por 1 ano e seis meses fazendo tratamento, o psiquiatra do inss me diaguinosticou como portador de F60.3 + F41.2 cid 10. como trabalho armado , e lido com público fui afastado das funçoes por esse periudo. recebi auta da perita do inss e fui mandado de volta ao trabalho. mas fui informado pela minha antiga psiquiatra que deveria tomar os remedios para sempre, e nao deveria voltar a trabalhar armado e se possivel evitar grande aglomeraçoes de gente ja que esse tipo de situaçao me deixava nervoso. isso esta correto ?, se esta como posso eu agir ja minha empresa insiste em me colocar em posto com muita aglomeraçao de gente ? (Santa Catarina)

Publiquei sua resposta aqui.

 

Transtorno do Humor Bipolar e Capacidade Laborativa

 

Olá DR, gostaria de saber se posso ser investida em cargo publico, mesmo sendo portadora do transtorno afetivo bipolar, se esta doença é incapacitante para o trabalho. (Pará)

 

Resposta: É necessário que qualquer pessoa antes de assumir qualquer cargo ou função laboral seja, previamente, submetida à avaliação pela Medicina do Trabalho. Nessa ocasião se informa ao médico do trabalho examinador (no exame admissional) todas as doenças das quais a pessoa (o trabalhador) possa ser portador. Deixar de informá-las pode trazer futuros problemas, até mesmo de ordem legal, ao funcionário. Caso o médico do trabalho examinador não tenha dúvidas sobre a aptidão do candidato à função, então a pessoa (já avaliada) receberá o documento onde constará apto para a função. Caso o médico do trabalho possua dúvidas, ele poderá solicitar um parecer de um Psiquiatra e este o informará sobre a doença psiquiátrica (quando houver), e o médico do trabalho então tomará sua decisão. Na grande maioria dos casos o Transtorno do Humor Bipolar não é incapacitante para o trabalho.

 

Transtorno do Humor Bipolar e Capacidade Laborativa 2

 

Gostaria de um esclarecimento. Meu irmão foi diagnosticado com bipolaridade. Ele recebia auxilio-doença do inss, mas foi cortado. Não consegue voltar ao trabalho. Esta doença o impede de trabalhar? O que devo fazer? Obrigada.

 

Resposta: Há diversas variáveis intervenientes no curso do Transtorno do Humor Bipolar. A efetiva resposta ao tratamento instituído é um dos diversos meios de que se dispõe a fim de avaliar a capacidade laborativa das pessoas portadoras do THB. Embora possa haver casos de incapacitação permanente para o trabalho, em nossa experiência temos verificado tratar-se de uma minoria de casos. Em havendo uma boa resposta ao tratamento a pessoa pode viver com qualidade de vida e trabalhar normalmente. A supervisão psiquiátrica por longo prazo pode ser necessária.

 

Transtorno Bipolar e Afastamento do Trabalho

 

eu gostaria de saber se tenho o direito de permanecer afastada do serviço com crianças sendo diagnosticado bipolar, e manifestando os sinais clinicos mesmo com remedios, a principal reclamação dos outros no serviço é de que eu sou uma pessoa de dificil convivencia, mas esta fora de mim este controle, o qual tenho que aprender.

 

Resposta: Favor ler o tópico acima, onde está escrito: Transtorno do Humor Bipolar e Capacidade Laborativa.
No demais, em determinadas situações pode ser necessária a realização de uma Perícia Médica Psiquiátrica a fim de solucionar questionamentos desta ordem. Via de regra, situações assim passam pela Medicina do Trabalho. Encontra-se no âmbito de decisão do Serviço de Medicina do Trabalho de empresas e instituições a opção (ou não) pela solicitação de perícias realizadas por outros especialistas. Há casos onde a mudança de função no trabalho pode estar indicada.

 

 

Diagnósticos Psiquiátricos, Perícia Médica, Auxílio Doença e Simulação

 

Doutor tenho f 29 + f 32.9 estou encostada pelo inss e na ultima pericia o perito solicita uma consulta com o próprio psiquiatra do inss, estou apreensiva será que terei problemas com o meu beneficio, qual a conduta do psiquiatra nesta situação, ele irá fazer testes? Obrigada, Atenciosamente...


Resposta: O médico perito pode necessitar de um parecer especializado a fim de lhe ajudar a decidir, como perito médico, se o benefício é ou não devido a este ou àquele cidadão. Esta é uma prerrogativa da qual os médicos peritos podem se utilizar a fim de que possam tomar decisões fundamentadas na boa ciência, na técnica, no bom senso e também na misericórdia para com seus semelhantes. Sem contudo, deixarem de estar de olhos abertos aos simuladores de doenças (o que lamentavelmente acontece).
Além do que, diante de cerca de 50 especialidades médicas que hoje há, como esperar que um único perito médico possa ser detentor de um volume de conhecimentos desta ordem?
Sendo assim, penso que está correta a atitude do perito que solicita uma opinião de um colega especialista em outra área da medicina.
 

Perícia, Especialidade Médica, Psiquiatria

 

A minha esposa trata faz 3 anos com psiquiatra e há dois anos diagnosticada por F31.9 passou para F33.2 Transtorno afetivo bipolar, episódio atual maníaco com sintomas psicóticos. Ela tem crises de depressão, já passou pela fase eufórica, mas precisa de acompanhamento familiar direto, (...). Enfim, o quadro dela é muito grave e estamos passando por uma situação muito difícil por conta disso. Ela é funcionária pública estatutária e está enfrentando alguns problemas com a perita da empresa em que trabalha. Bem, a empresa que ela trabalha, contratou uma empresa terceirizada para pericia médica que antes era feita diretamente na prefeitura do município. Só que antes, a perícia era feita por profissional psiquiatra que conversava com ela e avaliava suas condições. Hoje, está sendo feito por médica clinica geral, sem a especialidade de psiquiatria, isto é correto? Uma médica não especialista em psiquiatria pode periciar a paciente? e pode tomar este tipo de atitude? Grato. (São Paulo)

 

Publiquei sua resposta aqui.

 

Dr Eduardo Adnet

Médico Psiquiatra e Nutrólogo